Independentemente da época que se atravesse, o Mazda MX-5 continua a ser um gerador de emoções por todo o planeta. Numa altura em que o mundo continua a enfrentar uma pandemia à escala global, o roadster mais vendido do mundo mantém esse seu invejável estatuto, acumulando vendas nos seus diversos mercados, Portugal incluído.

Proposta de excelência no seio da gama de modelos Mazda, o MX-5 cativa quem por ele passa, levando a que muitos clientes coloquem a emoção e o coração acima da razão ou da lógica de compra, levando-os a adquirir um ícone repleto de essência e prazer de condução, dois elementos indissociáveis do ADN da Mazda.

Entre os múltiplos resultados alcançados, destacam-se uns quantos em Portugal, um deles particularmente actual e relacionado com a difícil época que atravessamos: o MX-5 foi o segundo modelo Mazda preferido dos portugueses em ambos os períodos de pós-confinamento. De facto, tendo em conta os acumulados registados nos períodos de pós-confinamento em Portugal, o factor emoção sentiu-se, de imediato, nas vendas do Mazda MX-5.

“Consideramos bastante curiosos os resultados que o Mazda MX-5 alcançou nesses períodos pós-confinamento, com o nosso icónico modelo a crescer em volume de vendas e em peso no nosso ‘mix’ de modelos, demonstrando o seu lado puramente emocional”, refere Pedro Botelho, Director de Vendas da Mazda Motor de Portugal.

“Particularizando, num ano de 2020 em que o MX-5 representou 10% do ‘mix’ de vendas da Mazda, que em final de Junho de 2021 cresceu para 13%, tendo atingido, pontualmente, um pico de peso no ‘mix’ da Mazda em Março de 2021, com 25%, coincidente com o nosso segundo desconfinamento e o inicio da Primavera.”

Algumas estatísticas do MX-5 em Portugal

De acordo com as estatísticas da Mazda da Motor de Portugal – nota: volumes ao final de Junho de 2021 – contabilizam-se 3.923 unidades matriculadas entre o lançamento oficial do Mazda MX-5 no já longínquo ano de 1990, número que, considerando outros exemplares que tenham chegado ao nosso país por importação de outros mercados, nomeadamente na vertente de usados, poderá ver-se algo acrescido de mais umas quantas centenas. Recorde-se que muitos deles reúnem-se, com regularidade, nos múltiplos encontros organizados pelo Club MX-5 Portugal, ainda que, por questões de logística inerente a esses eventos, nunca nessa ordem de grandeza tão significativa.

Em termos de preferências de carroçaria do cliente nacional, a maior fatia de volume centra-se, naturalmente, nas versões soft-top, que são transversais a todas as gerações. Na geração “NC”, para além dessa versão de capota de lona, existiu outra denominada Roadster Coupé, opção rígida que completou a respectiva gama, antecipando o lançamento do MX-5 RF, esta já na geração “ND”.

Assim, considerando apenas a actual geração “ND”, regista-se, desde o seu lançamento no nosso país, um volume de 1.240 unidades vendidas, tendo 799 dos clientes preferido o MX-5 soft-top (64,4%) e 441 optado pelo MX-5 RF (35,6%).

“Em 1990, ano do arranque das vendas, venderam-se 30 MX-5, atingindo-se em 1998, e pela primeira vez, a fasquia das 150 unidades matriculadas. Já o maior volume de MX-5 registados em Portugal foi alcançado em 2019, com um total de 337 matrículas, seguindo-se, ‘ex-aequo’, os anos de 2000 e 2006, ambos terminados com um mesmo volume de 286 vendas. São ainda 10 os anos em que a Mazda tem registos de vendas acima da fasquia das 200 unidades”, acrescenta Pedro Botelho.

Recorde-se que a gama 2021 do Mazda MX-5[1] (soft-top e RF) em comercialização é composta por 4 níveis de equipamento, somando-se aos tradicionais patamares Evolve e Excellence duas versões exclusivas: Special Edition e 100th Anniversary (apenas soft-top). No capítulo dos preços[2], os valores de entrada na gama são de 29.077 € (soft-top) e de 31.549 € (RF).


[1] Mazda MX-5 (WLTP, valores combinados) - Consumo de combustível: 7,6-6,3 l/100 km; Emissões de CO2: 171-142g/km. Veículos homologados segundo o protocolo de aprovação WLTP (Regulamento (EU) 1151 / 2017; Regulamento (EU) 2007/715).

[2] PVP sem despesas de legalização, transporte e preparação.